Litania

É você.

A origem das minhas fantasias todas, do meu fetiche por rostos finos, do meu encanto por estranhos de olhos pretos e cabelos desgrenhados, da minha vontade bizarra de viver e correr e engolir tudo todos o mundo. A fonte de toda a minha desordem interna, do meu medo de voltar para a caixinha, da minha necessidade quase doentia de enfiar o pé no acelerador e só parar quando o poste me acertar. A raiz da minha adoração por tudo o que não pode ser, por tudo o que é feio e lindo e por tudo o que nunca pôde ser meu. É você, desde sempre você e eu já assumi minha fraqueza. Já assumi a minha ânsia pelos seus farrapos – você, tão fragmentado. Você, tão miúdo e gigante e eu aqui sonhando em te pegar por entre os dedos, apesar de saber que é inevitável que você escape pelas frestas. É você. A origem do meu desvario. O que me impede de viver. O que me enche de vida. Um turbilhão de contradições. A ferida que não sara. O meu modelo de amor. O meu maior acerto. A única perda sem volta. A única perda que eu lamento. A razão.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s