Admiro muito a forma como você fala. Gosto de como você se enxerga tão maior do que você é e juro que acho até bonitinha a sua prepotência – bonitinha é o melhor adjetivo, uma vez que eu só o usaria para falar com uma criança de dez anos e, bem, você preenche todos os requisitos.

Admiro muito o seu jeito de se achar insubstituível, quando a única pessoa que te ama tanto assim é você mesmo. Fico impressionada com o quanto você valoriza os seus defeitos mais marcantes, imaginando que eles te fazem qualquer coisa além de uma companhia desagradável. Queria muito ter o seu ego; deve ser incrível estar total e completamente sozinho e achar que tem muito.

Mantenha-se no caminho que está trilhando, menino, que você vai longe. Vai para longe. Longe das pessoas, longe de mim (graças!) e isolado num mundinho que só permite gente tão limitada quanto você.